terça-feira, 8 de maio de 2012

An a Epic Journey Begins... - Outer Heaven (resenha)


Finalmente um assunto sobre o qual eu posso falar com propriedade nessa bagaça.

Confesso que foi uma surpresa muito grande conhecer essa banda, principalmente pela maluquice que foi. Em minhas andanças nerds pelo mundo, acabei indo parar, em meados do ano passado, em um evento chamado Zelda Day, que ocorreu em Ipanema, no Rio de Janeiro, e obteve certa repercussão pela nossa amada e viciante worldwide web. Alguns dias depois, acabei conhecendo um dos organizadores, no grupo do evento no MSN, e acabamos ficando amigos. A surpresa maior foi quando ele me disse que era baixista - não se encontram muitos baixistas por aí - e que tinha uma banda de heavy metal chamada Outer Heaven.


Se você é um nerd sem vida social gamer tr00, sacou a referência a Metal Gear no nome da banda e, mesmo sabendo que vai ser um comentário escroto, é exatamente isso o que eles fazem: METAL. Pensou que fosse o que? Uma arma de destruição em massa robótica? O baixista até tentou, mas acabou largando a facul antes de programar o sistema :p

Formada em 2007, o line up atual conta com Bruno Bas no vocal, Igor TW e Pedro Augusto nas guitarras, Rafael Henrique sob o comando dos graves e Bernardo Sagulo na bateria. O recém-lançado EP conta com 4 faixas e foi gravado, mixado e masterizado no próprio estúdio dos caras. Essa foi uma das coisas que mais me impressionou: a produção foi muito bem feita. Os caras tiveram muito cuidado com o que estavam fazendo e o resultado foi um trabalho de produção que desbanca muitos EPs de produtor que eu já ouvi. O material é o prelúdio de um álbum conceitual no qual eles estão trabalhando e que, segundo algumas informações privilegiadas, também tem a ver com games, sendo baseado em uma das minhas franquias preferidas: Soul Reaver.

O disco se inicia com a faixa Ruined Clan, que começa com um riff que passa um clima egípcio e, logo em sua base, mostra a influência "ironmaidenana" da banda, com a cavalgada clássica da boa e velha N.W.O.B.H.M. O vocal se destaca por sua força. Cá pra nós, não é toda banda underground que tem um vocalista bom e a cozinha da banda passa segurança durante toda a música.

A segunda faixa me agradou em especial pela linha melódica principal, que comanda toda a música. Black Void, a faixa em questão, traz todo um clima de lamento e queda do personagem, além de me lembrar bardos. e eu adoro bardos \m/

Em seguida, em Tomb of the Fallen Priests, temos de início um riff de baixo, com uma linha consistente de batera acompanhando, um riff bem marcante entre os versos e uma passagem muito bacana, que marca o inicio dos solos da música.

E como última faixa, temos Falling Into the Abyss, a música com o refrão mais marcante do EP, digna de fazer qualquer um cantar junto. Eu mesmo me peguei cantarolando-o por horas depois de ouvi-lo. O pequeno solo de batera que antecede o inicio dos solos de guitarra é um chamariz a mais pra faixa, que se torna a mais divertida dentre as 4.

A banda cumpre o que promete: fazer heavy metal e pronto. Sem firulas e presepadas, com letras bem boladas e uma boa interpretação e pronuncia do vocalista, que faz com que você, se tiver uma noção legal de inglês, não precise de um encarte pra compreendê-las enquanto ouve, embora eu gostaria de tê-las escritas no pack em que a EP foi posta pra download. A comparação com o Maiden é inevitável e estou ansioso pelo resto do material.
O material pode ser encontrado na página da Outer Heaven no facebook, assim como alguns videos de apresentação ao vivo da banda.